Publicado na CompliancePME em 11 de dezembro de 2023

Precisamos falar de compliance no esporte. Com denúncias de manipulação de jogos e casos recentes de racismo, ainda há muito o que ser feito quando o assunto a conformidade com as regras internas e regulamentos estabelecidos pelas organizações esportivas, clubes e empresas.

Em um ambiente econômico desafiador, muitas empresas estão lutando para navegar em águas turbulentas, permanecer ágeis e manter seus orçamentos sob controle. Neste contexto, o investimento em programas de gestão e tecnologia de compliance surge como uma possível solução para enfrentar estes desafios.

No esporte, os programas de conformidade podem desde desbloquear o potencial de atletas até atuar na assertividade dos clubes na hora de contratar. Quem afirma é Marcelo Calone, CEO e fundador do Grupo Calone, comunidade compliance especializada em gestão e tecnologia para marcas, mídias e personalidades.

A gestão concebe todos os processos e programas para cumprir a base, diretrizes, leis, métricas, normas, parâmetros, políticas, regras e regulamentos para a reputação de um clube, de uma torcida, de um estádio e na adequação de um atleta. Das normas até a torcida, realizar o compliance no setor pode colaborar com o sucesso de todos envolvidos no universo esportivo.

O compliance no esporte mostra que as atividades não servem apenas como entretenimento, diversão ou bem-estar. Essa função vai muito além, pois avalia o desenvolvimento de profissionais e empresas que precisam seguir normas e leis como em todas as profissões, necessitando de pessoas, recursos e práticas.

O estado atual das comunidades compliance

De acordo com dados do DBIPro e análise dos gestores do Grupo Calone, o mercado não está aproveitando muitos resultados positivos que esses programas de conformidade poderiam gerar no esporte. Embora a situação atual possa parecer terrível, existem formas das organizações reconsiderarem alguns dos seus processos tradicionais. Como?

✔ Melhorando o foco estratégico para um ativo contemporâneo;
✔ Dotando as equipes de forma a refletir melhor a sua escala e necessidades;
✔ Implementando as práticas ESG para otimizar pessoas e recursos, como obter informações para tomadas de decisões assertivas através
da ciência de dados.

Juntos, estes métodos não só reduzem os encargos, mas também aumentam o valuation e melhoram as estratégias, além da eficiência e o bem-estar dos colaboradores. O resultado é um mercado mais competitivo e os caixas mais robustos na distribuição de budgets, com as melhores projeções para contratações e a garantia de entregáveis para todos envolvidos economicamente.

– A inteligência de qualquer negócio está na gestão de conformidade com tecnologia. Ninguém perde! E todos ganham – completa Calone.

Publicada originalmente no Lance!