Publicado na CompliancePME em 2 de setembro de 2022

Boa parte do setor empresarial já entendeu que temática ESG (questões ambientais, sociais e de governança corporativa) como um todo é de alta importância para as companhias, segundo uma pesquisa da Fundação Tide Setubal e Instituto Sivis, que analisou o nível de comprometimento do empresariado brasileiro com a democracia e ESG. Mas, o assunto mais importante para a maioria dos entrevistados é o compliance.

A maioria dos empresários (74,2%) acredita que práticas ESG são um tema de alta importância para as empresas. Na comparação entre empresários jovens e idosos, há um contingente maior de idosos que considera o tema de maior importância: são 83,1%. Entre os jovens, esse número cai para 70%. Empresárias mulheres veem ESG com mais importância que empresários homens: 85,1% contra 72%.

No total, mais da metade (62,3%) dos empresários de companhias de diferentes portes avaliou que compliance e práticas de governança são os assuntos mais prioritários na temática ESG. Entre empresários de empresas de grande porte, o número chega a 78,9%.

Contudo, outros temas seguem distantes do foco principal. É o caso de cultura organizacional, vista como mais importante por 10,3%, responsabilidade, com 9,11%, sustentabilidade e proteção do meio ambiente, com 5,2%, e diversidade e tolerância, com 5,2%.

Sempre atrás, o assunto sustentabilidade e proteção do meio ambiente alcança seus melhores índices na região Sudeste, com 15,9% dos entrevistados respondendo que considera esse o fator mais importante, e o pior indicador na região Centro-Oeste, com apenas 4,5%.

Diversidade e tolerância no ambiente de trabalho é tema de prioridade mínima para 32,4% dos empresários entrevistados. Empresários do comércio são os que consideram esse assunto o menos relevante, com 34,2% das respostas. A região do país que mais concentra empresários que percebem a diversidade como fator desimportante é o Nordeste, com 37,5%, seguido pelo Sul, com 35,2%.

A pesquisa também avaliou o comprometimento do empresariado brasileiro com a democracia. A maioria dos empresários prefere a democracia em detrimento de qualquer outra forma de governo, acredita que também é responsável pela solução de problemas sociais do Brasil e avalia que eleições livres no país são importantes para a prosperidade dos seus negócios.

Ao todo, 91% dos entrevistados acredita na democracia como forma de governo. Além disso, 81,5% respondeu que concorda totalmente ou em parte com a ideia de que os empresários são responsáveis pela resolução de problemas sociais do país.

Os empresários são quase unânimes em relação à necessidade de eleições livres e justas no Brasil: 98% respondeu que acredita no processo eleitoral para o desenvolvimento de seus negócios.

No total, o estudo ouviu 417 empresários brasileiros de todas as regiões do país entre 20 de maio e 8 de julho.

Publicada originalmente no Valor